Deus

Antes que pudesse ser amor,
fora qualquer outro sentimento além.
Isso se houver neste canto onde vivemos
algo que possa superá-lo,
e se houver a existência desse, ou de outro.

Jamais obtive coragem
para mostrar a nenhum outro ser
habitante do mundo,
as chagas que carrego junto a mim.

Minha alma é doente, é faltante.
É submissa aos martírios banais
de uma matéria sádica,
que não supre às necessidades
primordiais do espírito.

Ah, sempre fostes o único capaz
de livrar-me a alma das dores de sua doença,
distraías tão bem a minha carne
que ela não percebia quando a alma fugia
pra um mundo melhor.

Tu eras capaz de nos tornar um, correspondentes.
Nos dominava e fazia de nós santificados.
A trindade mais pura que pudesse haver.
Corpo, alma e espírito, santos.

Dentro de nós, curava-nos.
Afastava as mazelas.
E se porventura foste mais fundo,
na cavidade obscura que era a ponte entre um estado e outro,
tornava-se soberano.

Tua onipotência me enchia de graças,
expulsava o diabo que fazia-me hospedeiro,
libertava meus demônios,
cicatrizava meus estigmas.

Dentro de mim ergui altares e louvores a ti,
enfeitei-me com velas para que não houvesse
lado interior que não conhecesse,
rezei teu terço de olhos fechados,
boca entreaberta, e suspiro ofegante,
e mais rápido que qualquer outra divindade,
tu me atendestes, estendendo o teu corpo por cima do meu.

Tornaste-te a minha religião.
O meu homem.
O meu deus.

Frederico Brison.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s