Para a letra mais importante do meu alfabeto II

Queridíssimo F., Como sempre, minha perna balança exasperadamente e meu pensamento se embola como meu cabelo assim que eu coloco o vocativo no canto esquerdo da página. Você, F., rouba-me todas as vontades que vêm a nascer assim que a lapiseira encontra o papel. Tudo bem, vou só fumar o meu cigarro e jogar em… Leia mais Para a letra mais importante do meu alfabeto II

Para a letra mais importante do meu alfabeto I

Daquele mesmo quarto, numa quarta qualquer. Querido, caro, amado (ou qualquer adjetivo que você prefira) F., Escrevo-te, mas entenda que não é por sentir tua falta ou por vontades proibidas de te ter — não mais. Rabisco-te algumas sentenças pois não proso há tempos — como se é perceptível pelo vocábulo querendo precipitar e escapar… Leia mais Para a letra mais importante do meu alfabeto I

Maculado

Não tenho uma boa alma. Já disseram alguns que se diziam sábios espirituais. Nada disso! Quem me diz que minha alma não presta sou eu mesmo, do alto dos meus quase vinte anos, sei do que estou falando. E o pior é que, além de não ter uma boa alma, não tenho vocação para ter… Leia mais Maculado

Senhora

A vontade nasceu no meio do morrer do sol, quase que abortada por pura pressa de ser. O desejo incontrolável de possuir o corpo frágil flagelado pelas fraquezas da carne julgada a penitência eterna daquilo que tornou-se insaciável. Tornou-se necessária pelo tempo que quisesse, inquietava o seu hospedeiro e estampava no olhar a sua dominação.… Leia mais Senhora

Olvido

Lembro de nós como se nunca houvesse acontecido. Mais parece um sonho cortado no meio pela urgente vontade de mijar numa madrugada fria, ou um livro que esqueci o título e nunca terminei de ler. Recordo cheio de dúvidas e ansiedades, curioso para saber o que vinha depois. Acontece que depois e depois e depois… Leia mais Olvido